quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Eu só continuo e não entendo.




Sabe, eu não sei se contei a vocês, mas eu faço moda... Sim, moda, na verdade Design de Moda então vou me formar Designer e não estilista, é tudo muito complexo e interessante. Eu só fiz o vestibular para essa faculdade porque minha mãe pediu, e eu só fiz pra moda porque tenho muita facilidade, no começo eu fiquei meio pensando o que eu vou fazer com isso? Mas eu achei uma vertente da moda que ninguém de moda liga que é a vertente que ajuda as pessoas, e nenhuma das minhas professoras quer muito me ajudar com isso, mas meus professores que também são professores de relações internacionais e de jornalismo querem, eles me acham demais. A minha mãe não perde uma oportunidade de dizer que estou na faculdade errada e sabe eu tenho duas Barbies aqui do lado com vestidos que eu fiz e meu dedo está com um band-aid porque me machuquei com alfinetes hoje, eu não sei o que estou fazendo, mas vivo me dizendo para não pensar a respeito, vivo listando meio por cima as coisas que essa faculdade de beneficia, Fico dizendo que é boa e um lugar que me ensina a ser influente, um lugar que me ouve e um lugar em que eu realmente vou poder abrir as minhas asas, eu digo a mim mesma que posso fazer outras faculdades depois, mas qual o ponto de se fazer outras faculdades e não usar essa? Eu não sei, as vezes sinto que estou gastando o dinheiro dos meus pais atoa, para que? Para dizer "Olha eu sou designer"? Eu não entendo também o que estou fazendo, mas preciso de pessoas me apoiando e não me criticando, eu estou tentando não me desesperar sabendo que estou caminhando e lutando por algo que não entendo, estou construindo um navio em uma cidade sem lagos ou rios ou mar, talvez é claro seja a arca de noé e tudo uma hora se explique, mas no momento nada disso faz muito sentido, estou me esforçando, mas se eu for parar pra pensar eu não sei o que quero ser, porque na verdade eu não quero nada, não quero ser ninguém, mas não por não querer ser nada eu simplesmente não quero ter um trabalho e trabalhar com uma coisa chata que me consuma, eu não quero ganhar dinheiro para sobreviver e muito menos viver pra ganhar dinheiro, eu sei que a faculdade que faço me da horizontes enormes, mas eu não quero, eu não quero mulheres petulantes me dizendo que devo esquecer namorados e focar em serviço ou dizendo que salários iniciais são complicados, eu não quero a minha mãe dizendo que eu deveria fazer relações internacionais, historias ou relações publicas, eu não quero ouvir que todo mundo diz "mas moda?" quando ouve que estou na faculdade, eu só quero saber onde vai dar, gastando rios de dinheiro, atoa ou não eu não sei, eu simplesmente não sei, por isso simplesmente continuo, por isso agora eu vou dormir, para não ter que me preocupar com tudo isso que ocupa a minha mente, eu não preciso me preocupar com isso agora. Encha sua cabeça de coisas e esqueça aquelas que não pode concertar, eu só não preciso das pessoas me lembrando o tempo inteiro de que eu não sei aonde é meu lugar.

- Meg.

Eu o amo


Resultado de imagem para tumblr love forever

Eu preciso dizer que as vezes não sei se digo o quanto eu gostaria, e sei que a depressão as crises e eu estando um pouco longe me impedem um pouco de dizer também, mas o que eu queria mesmo contar pra vocês não é segredo nenhum e na verdade é bem visível, eu tenho medo de dizer para as pessoas e encomodá-las com a minha felicidade, mas a verdade é que estou com o meu namorado a dois anos e oito meses e eu o amo, meu deus como eu o amo, parece que o amo cada dia mais, e nada mais é a mesma coisa, eu não consigo pensar em outras pessoas do mesmo jeito que penso sobre ele, e quando eu viajo e vejo algo eu só penso em como eu queria que ele estivesse ali comigo pra ver aquilo, eu não posso ficar um dia sem falar com ele e as vezes antes do dormir penso que seria muito mais fácil de pegar no sono se ele estivesse ali comigo, ele tem esse jeito de me proteger e de dizer que consigo sozinha que é incrível e ele também tem aquele olhar que sei que esta pensando algo importante, sei que esta devaneando mas quando eu pergunto ele insiste em falar "não estou pensando em nada, só to te olhando" e o modo como ele olha me faz querer que todos sintam como me sinto, a verdade é que as vezes esse amor não cabe em mim, eu preciso falar dele, preciso que o mundo saiba como o amor é bom e bonito e realmente vence qualquer coisa, eu tenho muitos medos, muitos problemas, medo de ir embora e ele não querer ir, medo dele não se sentir confortável em algum lugar, medo dele ser julgado pelas pessoas que convivem comigo só por não falar muito com as outras pessoas, eu tenho medo de nós não darmos certo no futuro, mas da tão certo, e a cada dia da mais certo. Eu sei que não passei ainda um ano completo ao lado dele, eu sei que eu só o vejo de final de semana e sei que agora tudo parece ficar mais difícil, sei que as vezes não conseguimos nos ver nos finais de semana  e isso me da um aperto no peito, eu quero ele para mim todos os dias, quero dormir nos seus braços e quero gritar pro mundo que eu o amo, porque eu o faço, independente de medos ou do que as pessoas pensem a respeito, eu o amo, eu o amo incondicionalmente, perdidamente e profundamente como nunca pensei que seria capaz de amar, o sentimento me faz querer transbordar, chorar, gritar, rir, beijá-lo, sinto vontade de me fundir com ele e sinto que tudo isso pode ser muito, eu me contenho e sinto medo dele não saber o quanto eu o amo, o quanto ele é importante pra mim. Eu amo o jeito como ele ri, e amo saber que eu o faço rir, amo quando ele me abraça e detesto quando ele brinca de lutinha comigo em publico, amo o jeito como ele me abraça e me segura como se nada mais importasse, amo como as vezes ele me abraça do nada, e amo quando beija minha testa, amo os vídeos que me manda e as ideias  que tem, amo ele por dentro e por fora, e meu deus como ele é lindo, eu o amo tanto que mesmo não sendo o sentimento do mundo não cabe em mim, ah poetas o que significa amar tão intensamente se não o que eu sinto por ele? Eu o amo.


-M.

domingo, 6 de novembro de 2016

Responsabilidades


Resultado de imagem para queen tumblr


Esse mundo já viu grandes reis e rainhas, crianças que foram obrigadas a reinar desde muito pequenas, assumindo com 14 anos, rainhas que se mantinham em seu poder apenas se engravidassem, pessoas, seres humanos lidando com coisas como tirar a vida de outro seres humanos, suas mangas arregaçadas e as mãos e antebraços mergulhados em sangue tiveram grandes decisões a fazer, crianças e adolescentes definiram territórios, foram para guerras contra outros seres humanos por comida, por casa, por segurança e essas crianças e adolescentes ordenaram que esses outros seres humanos fossem e mesmo assim tinham que manter o controle, controle sobre quem eram, sobre o modo como agiam, tinham que manter sua expressão seria e respeitada, não podiam fraquejar, mostrar uma fraqueza em seu reinado era algo extremamente perigoso que podia por tudo a perder, uma pressão tamanha em crianças que temiam assassinatos, pragas, gripes, conspirações ou perder os tronos por não produzirem herdeiros. Eram obrigados a manterem-se sãos, fortes e a tomar decisões rapidamente pensando um milhões de pessoas que dependiam deles, que precisavam deles.
Eu não sou uma rainha, princesa, nem mesmo realeza, mas me forço a ter o mesmo pensamento, não posso me dar ao luxo de fraquejar, não posso ter outro tipo de comportamento, não decido vidas, mas dependo delas e elas cobram de mim coisas que preciso ser forte para dar, eu não luto grandes guerras que determinam a sociedade e suas terras, mas preciso estar ali para apoiar, porque eu sempre fiz isso, eu sempre fui essa mulher, eu sempre fui aquilo que precisavam que eu fosse e esperavam e então esperam de mim aquilo que acham que sou, sem tempo para fraquezas, eu preciso controlar que sou eu, não fraquejar e quando me quebrar ao meio recomeçar, levantar a cabeça e manter o mesmo olhar, não posso mudar de repente o meu modo de agir, porque sempre fui essa rainha e preciso aprender a me controlar, rainhas não fraquejam, não tem momentos de duvida nem o privilégio de serem plenamente felizes, Algumas pessoas nasceram para estarem ali por outras pessoas e essas pessoas vão chamá-las e então precisam ser atendidas, e assistidas, pessoas nascidas para reinar ou para amparar não se dão privilégios, eu preciso aprender a me controlar melhor e entender que eu sou uma dessas pessoas.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Felicidade


Resultado de imagem para felicidade escapa tumblr


Minha psicologa disse que deveria tentar ser feliz, mas feliz mesmo, aquele tipo de felicidade que as pessoas normais tem e as pessoas extraordinárias também... Eu bem que me considero uma pessoa extraordinária e acho também que todos deveriam se considerar, mas eu não me sinto assim na maior parte do tempo, e principalmente não me sinto feliz, não que eu não ache que mereça ser feliz, porque eu quero ser, acho que todos merecem e que eu como um ser humano deveria ser também, mas por alguma razão.... Eu nem sei como chegamos a conclusão que eu eu não sou feliz! Eu tenho um namorado que me ama muito e amigas que me amam e me ajudam muito, eu tenho pais que não dão tanto trabalho e eu gosto de mim mesma, faço uma faculdade legal, tenho um futuro legal e eu já viajei bastante o que é bem legal, mas na realidade acho que é algo bem mais interno, algo em um mundo em que nada disso importa, ah meu mundo particular era bem mais simples e eu podia ser feliz plenamente, na verdade nos meus sonhos eu sou muito feliz, extremamente feliz e eu quero que isso seja assim na realidade, eu quero poder gargalhar quero ser feliz, mas o que não me deixa ser? Eu sinto um grande peso em mim, como se não fosse permitido e como se tudo o tempo inteiro cobrasse a minha atenção, como se tudo me exigisse atenção, dedicação e como se fazer algo por mim e pra mim fosse errado, eu viajei e de repente me sinto como se todos os meus familiares mais distantes tivessem parado de falar comigo, como se ninguém realmente quisesse falar alguma coisa, e eu não aceito certas atitudes do meu irmão ou da minha mãe e de repente eu sou ruim, eu sou má filha, não sou como deveria ser ou não estou me comportando como deveria, mas quer dizer então que não posso ser feliz. Minha mãe diz que a minha felicidade termina aonde começa a do próximo, mas os próximos estão colados em mim, quase como se a minha felicidade ficasse pra depois, depois que eu atender a todos, depois que eu fizer tudo o que é certo e o que eu devo fazer, mas eu não quero fazer, eu não sei o que eu quero, eu só sei que quero ser feliz, quero ser muito feliz, imediatamente, mas por alguma razão a felicidade é um mar aonde não posso me batizar.


Megan.

De volta para o passado (e o que aprender com ele)



Eu estive em Londres, estive nas ruas onde milhares já morreram, milhares já lutaram, milhares se cansaram de lutar por dias melhores, estive andando por pedaços de terra aonde já houveram trocas de espadas, onde pessoas já morreram de peste negra e mulheres já foram queimadas e tudo isso me faz pensar em tudo isso, em todos eles. Eu conheci o lugar onde figuras como Elizabeth I e Ana Bolena, ou talvez até mesmo Mary Stuart rainha da Escócia tenha ficado, visitei celas como as de Robert Dudley, e o castelo de gerações e gerações de pessoas que decidiram o futuro de milhares e bilhares, eu não pude ver tudo nem todos, mas eu também estive em Paris, e vi lugares financiados por grandes figuras como Catherina de Medici, vi onde grandes reis passaram com suas carruagens a caminho de Versalhes e vi o lugar onde muitos gritaram por revolução, estive aonde pessoas enfrentaram os piores momentos da história, onde aconteceram as maiores guerras da historia da humanidade e durante esse período todo me senti entorpecida, sem saber direito o que pensar ou o que sentir, como se aquele solo tentasse me contar tudo o que viu através dos séculos de uma vez só, tudo ao mesmo tempo, e eu como humana não fui capaz de sentir nada direito, mas senti seu movimento e é diferente do modo como os livros descrevem, sempre pensei que grandes guerras e evoluções fossem mais limpas, mais sangrentas, menos politicas e mais força braçal, e pensei também que tudo o que vivemos no Brasil por exemplo fosse bagunçado, mas a realidade é que lá tudo sempre foi caos e que o caos os ajudou a encontrar o caminho. Então talvez não seja a minha principal questão como vencer o Caos, como domá-lo e sim seguir fluindo em sua correnteza. Pessoas como Mary Stuart, Elizabeth I e Catherine de Medici lutaram a favor do caos, lideraram a correnteza para onde podiam e até quando podiam, tenho medo de onde o caos nos levará, tenho medo de me afogar no percurso ou não chegar a ver o resultado, os mais velhos parecem conformados e alguns inflamados, os mais novos igualmente inflamados ou confusos, mas não temos uma Joana D'Arc para nos guiar, ou uma rainha para levar a correnteza e eu temo por tudo e todos,
Eu confesso que enquanto estive fora não pensei assiduamente em meu país, não pensei em politica e com certeza não pensei na minha questão sobre o caos, eu só conseguia pensar sobre como tudo aquilo era lindo e séculos e mais séculos haviam se passado sobre aquele chão, apenas aqui de volta ao meu pais entendo o que o solo dos dois países  que mais foram inimigos me ensinaram e como me auxiliaram.


Meg.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Responsabilidades


Resultado de imagem para queen tumblr


Esse mundo já viu grandes reis e rainhas, crianças que foram obrigadas a reinar desde muito pequenas, assumindo com 14 anos, rainhas que se mantinham em seu poder apenas se engravidassem, pessoas, seres humanos lidando com coisas como tirar a vida de outro seres humanos, suas mangas arregaçadas e as mãos e antebraços mergulhados em sangue tiveram grandes decisões a fazer, crianças e adolescentes definiram territórios, foram para guerras contra outros seres humanos por comida, por casa, por segurança e essas crianças e adolescentes ordenaram que esses outros seres humanos fossem e mesmo assim tinham que manter o controle, controle sobre quem eram, sobre o modo como agiam, tinham que manter sua expressão seria e respeitada, não podiam fraquejar, mostrar uma fraqueza em seu reinado era algo extremamente perigoso que podia por tudo a perder, uma pressão tamanha em crianças que temiam assassinatos, pragas, gripes, conspirações ou perder os tronos por não produzirem herdeiros. Eram obrigados a manterem-se sãos, fortes e a tomar decisões rapidamente pensando um milhões de pessoas que dependiam deles, que precisavam deles.
Eu não sou uma rainha, princesa, nem mesmo realeza, mas me forço a ter o mesmo pensamento, não posso me dar ao luxo de fraquejar, não posso ter outro tipo de comportamento, não decido vidas, mas dependo delas e elas cobram de mim coisas que preciso ser forte para dar, eu não luto grandes guerras que determinam a sociedade e suas terras, mas preciso estar ali para apoiar, porque eu sempre fiz isso, eu sempre fui essa mulher, eu sempre fui aquilo que precisavam que eu fosse e esperavam e então esperam de mim aquilo que acham que sou, sem tempo para fraquezas, eu preciso controlar que sou eu, não fraquejar e quando me quebrar ao meio recomeçar, levantar a cabeça e manter o mesmo olhar, não posso mudar de repente o meu modo de agir, porque sempre fui essa rainha e preciso aprender a me controlar, rainhas não fraquejam, não tem momentos de duvida nem o privilégio de serem plenamente felizes, Algumas pessoas nasceram para estarem ali por outras pessoas e essas pessoas vão chamá-las e então precisam ser atendidas, e assistidas, pessoas nascidas para reinar ou para amparar não se dão privilégios, eu preciso aprender a me controlar melhor e entender que eu sou uma dessas pessoas.