segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Estou em duvidas...



Pra falar a verdade estou com muitas duvidas mais duvidas do que posso expressar, mas a principal que quero por aqui é Facebook... Tenho visto muitas coisas ruins no Facebook, muitos discursos de ódio, e muitas tragedias, a maioria delas verdadeira, e eu não posso suportar essas coisas... Mulheres criando paginas contra o feminismo e homens procurando argumentos inválidos para ofender, crianças brincando de ser adolescente do jeito errado e muitas coisas que parecem estar de ponta cabeça e eu não sei o que fazer... Há tantas tragedias que eu queria solucionar e muitos discursos de ódio que estou me sufocando com, então toda vez que eu vejo alguma coisa ruim, algo assim meio de ponta cabeça eu posto algo bom, como algo bom com crianças ou moradores de rua, toda vez que eu vejo um discurso de ódio eu posto uma foto bonita, uma flor, um poema, mas será que estou fazendo a coisa certa? Será que deveria estar me movimentando ao invés de acalmar? Será que deveria vir com respostas afiadas como uma faca ou deveria rir? Eu devo continuar postando coisas boas ou deveria buscar soluções mais radicais? Isso me parece eficaz, mas não funcional, eu não sei... Me sinto confusa em como eu deveria agir ou como eu deveria me posicionar... 

M.M,

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

No meio da guerra.



Em uma batalha nos livros de historia quando estamos no meio da guerra há perdas, confusão, acredito que quando se está em uma batalha você é mais levado pela batalha do que leva a batalha a algum lugar ou talvez seja só eu que seja levada... Eu não sei, mas me sinto em plena guerra, talvez eu seja mesmo louca, mas me sinto em batalha, antes o sentimento era que me preparava para a batalha, mas agora eu me sinto com sangue nas mãos, sinto o medo de meus amigos e inimigos, nenhum de nós queremos estar aqui, mas estamos lutando pelo nosso futuro, e talvez as guerras sejam isso mesmo, estamos lutando por dias melhores, eu pergunto o preço das coisas antes de comprar agora, eu peço e imploro bolsas de estudo, eu mando e-mails e converso com pessoas em varias línguas, estou correndo contra o tempo sofrendo internamente, eu poderia me render, já estou na faculdade, numa boa faculdade, poderia morar em São Paulo voltar nos fins de semana continuar namorando todo final de semana e ter uma vida simples, mas eu não darei meu reino para os inimigos, não me renderei como nenhuma rainha jamais se rendeu eu conquistarei as terras além mar, eu irei e isso dói, porque nessa briga muitas vidas serão sacrificadas, minha vida será sacrificada, meu contado direto com pessoas que eu amo, tudo isso será sacrificado por um bem maior, e esse bem é necessário, eu não me desviarei da minha missão dessa vez e isso doí mais do que imaginei que doeria, tudo que sempre quis estou conseguindo e o preço a pagar por isso é o mais alto possível.

Megan.

sábado, 6 de fevereiro de 2016


Is it possible to be your own soulmate?
 I think we're after all

Então...




Esta tudo bem e então... Então me vem aquela vontade de chorar e tudo que eu quero é estar nos braços de Guilherme, rindo com minhas amigas, jogando e conversando com meus pais, ao mesmo tempo que essa outra parte a parte que me obriga a chorar sabe o que quer, ela quer sair pelas ruas tristes, ela quer um cigarro e uma garrafa de água ardente, hoje ela me perguntou "Você lembra como é estar bêbada, jogada entre as luzes da noite e rir esquecendo-se das suas dores?" e eu respondi que sim, ela sente saudade de estar livre e me controlar, ela sente saudade dos homens sem rostos, das bebidas já sem gosto, das risadas sem motivos, e toda vez que eu pergunto a ela porque ela chora ela diz "Eu sinto saudades Dele" e eu não posso fazer nada, minha vida é tão bela, anda tão encaminhada e a poesia esta comigo, mas ela ainda sofre e pra sempre vai sofrer, as vezes ela grita e então... Eu ouço, ela me agarra, puxa minhas roupas e implora que eu lhe mate, implora que eu lhe liberte, ela está em carne viva e não sei o que fazer, eu a abraço e choramos juntas, eu não sei porque eu choro, mas ela deve saber, ou talvez a dor seja tanto que ela nem sabe mais e apenas sabe sentir, sei que tudo lhe doi e quando ela grita dói em mim também e nesses dias, não há nada que eu possa fazer a  não ser me sentir pra baixo, eu quero apenas amá-la, quero que ela se sinta bem, mas não sei se ela um dia se sentirá então...