domingo, 20 de setembro de 2015



"Por que você é sempre grande demais ou pequena demais?" 
(Chapeleiro Maluco - Alice no Pais das Maravilhas)

Amor... próprio



Quando solteira eu tinha algo dentro de mim, uma loba, uma leoa, não sei direito, mas sei que esse animal me guiava, me tornava uma troublemaker, eu adorava o perigo, adorava a sedução eu adorava arranjar encrenca, mas amava ser a encrenca eu tinha essa coisa dentro de mim que me dizia para ser feliz, seduzir, rir, dançar e aproveitar tudo que eu tinha em mim, fazer drama e ter quem eu quisesse aonde eu quisesse. Isso tudo era muito legal até eu me apaixonar, tão perdidamente que chego a amar, e então não engano, não traio, não trapaceio, não faço drama ou charme, mas nem por isso matei minha loba, minha leoa, minha vampira, ela ainda esta aqui, todas apaixonadas pelo mesmo homem, o homem que tem que aguentar a todas elas, que sabe que todas as provocações e todas as roupas são pra ele, eu posso até assusta-lo de fato, mas uma coisa é certa, eu jamais vou deixar de ser quem sou, não pararei de seduzi-lo todos os dias, não pararei de vestir roupas que me deixam sexy porque eu ja o tenho, eu me vestirei como sempre, e pra mim, pra que eu me conquiste, pois vamos combinar que isso sempre foi assim, mulheres não se vestem para os homens, mas sim para se sentirem poderosas, e eu faço questão de me sentir poderosa todos os dias, deixem os lobos, leões, vampiros, todos saírem, controlarem, não há nada melhor do que sentir-se bem consigo mesmo e posso ver agora, que mesmo amando mesmo que não faça nada do que fazia eu não mudei, Afrodite continua sendo minha guia, minha mãe, eu não deixarei que nada me contenha e posso ver que faço isso tudo exclusivamente pra mim mesma.

Megan.

Correndo atrás do sonho



A vida é uma jornada, muitos já disseram isso, nós caminhamos sob nossas próprias escolhas, as vezes sozinhos e as vezes acompanhados de amigos ou inimigos, mas sempre caminhamos e é impossível permanecermos parados a diferença são as escolhas que fazemos nessa jornada.

Algumas pessoas escolhem os caminhos mais simples, mais calmos, mais fáceis e nem sempre isso é ruim as vezes te leva a uma vida tranquila em uma vida entre as milhões de vidas que fazem os países progredirem e se manterem, eu respeito essas atitudes, algumas pessoas estão felizes e confortáveis vivendo cumprindo suas obrigações, se mantendo, fazendo a vida girar e voltar pra casa no fim do dia e descansar tranquilamente, eu também gosto da ideia, é fácil é bonita e pra mim é como uma cobra de Mogli O Menino Lobo (the jungle book) ela te deixa confortável, tranquilo, e te esmaga, sufoca, te prende e te mata de pouco em pouco. Eu não sou uma dessas pessoas, eu preciso fugir disso, eu preciso da minha liberdade, preciso de aventuras de verdade, e mesmo que os monstros e missões nessa terra estranha chamada realidade sejam mais difíceis e mais sóbrios eu prefiro os enfrentar todos os dias do que nunca, prefiro viajar todos os países do que dizer que viajei uma vez com a família, mais uma vez eu digo que respeito quem resolve ter essa vida, mas ela definitivamente não é pra mim, sou feita de vento, feita pra voar, sou feita de sonhos, sou a escritora deles.

Meg.

Primeiro dia - lembrança aos meus 15 anos




Quando se tem 15 anos, aqui no Brasil pelo menos, é um marco é o ponto em que uma menina se torna uma mulher e momento em que na verdade achamos que viramos, porque no fundo continuamos as mesmas crianças, mas eu tenho que concordar que muita coisa muda, nossos gostos mudam e é o momento que a vida nos dá pra descobrirmos quem somos, tudo na minha vida quando tive 15 anos foi festa e diversão eu havia acabado de sair do ensino fundamental e me achava o máximo por estar indo pro colegial, nós nos sentíamos livres pois não tínhamos que decidir nosso futuro ainda, aquele era apenas o momento de viver a adolescência. Tudo era uma promessa e nós vivíamos um conto de fadas, eu amei, eu fiz coisas erradas, eu tive uma "reputação" eu tive amigos que no momento não são mais meus amigos, mas que sempre vão estar nas minhas lembranças boas assim como cada pequeno momento de alegria e de tristeza que tive, nós chorávamos no banheiro de festas, nós bebíamos e riamos até cair no chão, nós tínhamos danças sincronizadas e chegávamos tarde em casa todo final de semana nós não sabíamos o que era a vida pois estávamos vivendo nossos quinze anos e era maravilhoso, estávamos no nosso pais das maravilhas e plantamos milhares de risadas para colhermos milhares de lembranças.
Quem poderia dizer que o tempo escorreria por nossos dedos pintados, que ele correria nos arrastando pra longe das pistas de dança e das festas com vestidos ou jeans, vivi a melhor época da minha vida até agora sem realmente perceber o quão feliz eu fui, eu tinha tudo que podia ter e mesmo que hoje e vida seja completamente diferente eu lembro como se fosse ontem de todas as festas, de todas as risadas eu ainda sou capaz de ouvi-las, hoje a vida é diferente, não vivo mais nada disso, não vejo meus colegas em sala conversando sobre a festa de sábado, não vejo as mensagens bobas de amor trocadas no estojo, não vejo as meninas do primeiro ano suspirando pelos mais velhos e se gabando por terem saído do ensino fundamental, apenas imaginávamos como seria o terceiro ou nossas vidas e então ela chegou e muito rápido, depois dos 15 eu já estou com 18 e não vi isso acontecer, mas eu posso dizer que as aventuras que se vive nesse meio tempo são as melhores que se poderia querer, então... Se você tem 15 anos, eu poderia dizer, respire fundo e mergulhe, divirta-se e viva o máximo que puder, eu posso me arrepender de ter feito algo, mas eu jamais vou me arrepender de não ter feito, vá em todas as festas, use vestidos e saltos que jamais usaria, ria o mais alto que puder e viva o mais forte que puder, pois isso passa rápido e a unica coisa que sobra são as lembranças, das quais eu rio até hoje, viva e lembre-se que tudo começa com o primeiro dia.

Meg.