terça-feira, 30 de abril de 2013

Hoje eu soube de algo...



Hoje eu soube de uma menina, uma menina que eu nunca gostei... Bom com a perfeita criança excluída e anti-social que eu sempre fui era fácil implicar, ela o fazia, mas isso não importa, porque agora ela esta passando por tudo aquilo, aquelas noites chorando, todos os "e se" que uma cabeça jovem pode criar, todas as suposições... Eu não sei o quanto ela amava ele, e nem sei dos planos que os dois tinham, mas eu não desejava isso a ela. Parece que está se tornando normal pessoas que amamos nos deixarem de modo trágico, e ela sofre. Eu queria poder impedir qualquer um de passar por isso, queria que ninguém chorasse e não conseguisse dormir pensando no que teria sido, no que foi e nunca mais vai voltar, eu queria chegar para essa menina de quem eu nunca gostei e dizer que a entendo, que eu não a culpo, mas como chegar e não falar que vai melhorar? Não, não vai melhorar, vai amenizar a dor aguda, mas ela sempre vai se lembrar que amou alguém e que poderia ter sido lindo, mas acabou... Nossa história amor, eu não queria que se repetisse com ninguém, minha ferida se abre lembrando, sabendo que ela chora, chora porque algo foi arrancado dela, e você (por favor apenas ainda exista) cuide dele, e vocês cuidem de nós. Ela tem o mesmo nome que eu....


By: Meg

sábado, 27 de abril de 2013

As coisas apenas mudaram...





As coisas mudaram, não adianta falar que não, eu vi... Talvez a culpa tenha sido minha, dizem que quando mente no começo vai mentir enquanto continuar falando com aquela pessoas, vocês foram meu porto seguro, não posso simplesmente passar por cima de tudo, de todos os textos que fiz pra vocês, por cima de todas as piadas internas, por tudo que compartilhamos, os risos, a saudade, quanto foi que eu comecei a esconder coisas de vocês? Quando foi que deixamos a distancia nos separar? Eu sinto a falta de vocês, sinto tanta que posso gritar em desespero, mas sinto falta do que fomos, sinto falta daquelas três meninas que se conheceram em uma festa de aniversário, aquelas três meninas viciadas em crepúsculo com sonhos na cabeça, mochilas nas costas e travesseiros nos braços, sinto falta de pular na piscina com vocês e pensar em meninos bobos que nunca seriam nossos, em show que nunca iriamos ver, em viagens que não aconteceram, sinto falta de me sentir segura com vocês de poder falar qualquer coisa, de poder contar qualquer coisa, porque segredos que só envolviam a mim eram só meus e de vocês, agora... Estamos longe, sinto a distância nos nossos dias, sinto no meu corpo.
O que vai ser da gente quando a Amy for pra faculdade? O que vai ser quando eu for viajar e a distância crescer mais? Eu nunca pensei que chegaria um tempo assim, nós não pensávamos... Me desculpem, eu amo vocês, eu nunca vou parar de amar, é só a distancia, os fatos, a vida... Tudo mudou e eu não percebi e agora eu não pareço conseguir aceitar que elas apenas mudaram, que tudo vai mudar mais e mais, essas coisas me sufocam, eu queria contar tudo pra vocês, queria que vocês fossem meu porto seguro de novo...

By: Meg

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Minha praia





Não amigas, eu não voltei pra casa, mas... sempre quis saber o que aconteceu com nossa praia depois de abandonada, então... Porque não voltar ao velhos tempos? As velhas fotos... só um pouquinho? Juro que não choro, palavra de escoteira (nunca fui escoteira), ok.... vamos abrir o passado...
ainda há uma praia, óbvio, como desaparecerá o mar? A areia agora escura, quase como suja demais pra caminhar descalça como quando descia as escadas da casa e corria-se direto pra cá, mesmo assim tiro o sapato... O degrau ainda está ai, muito cuidado agora, nunca se sabe o que encontrar.... Não existe mais uma casa, não há nada aqui, apenas o grande espaço que ela costumava ocupar, não há ninguém, nem lembranças, como se nada nunca houvesse, acho que nunca houve. ando onde costumava passar minhas alegrias, fechos os olhos e vejo minhas paredes brancas, a risada infantil de uma menina... a risada meio esganiçada de um adolescente e... não me ouso escutar a risada dele... saio dali e ando pela beirada da praia, lembro de Melissa, por que as lembranças continuam se nada foi real?
 Percebo que nada restou do passado, apenas o barulho do mar, o mar que é real, real no passado e no presente, o mar e a areia são como quem sou, a casa... se fora, fora um momento. O mar fica, as ondas batem solitárias, as vezes calmas, as vezes ferozes. Nada restou. Fim. Ponto final. Pois é meninas, acabou, só o mar sobrou...


By: Eu

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Cansaço aos 16



Ok, ok só faz 16
O ano foi 1997
1,70 de ombros curvados
O no é 39
de pés, de andar, tão cansados
O sorriso que pouco aparece
Não quer crer em um Deus
De tão nova, de tão perdida!
Ok, ok só faz 16
mas já faz mais de 3
que essa cabeça
Guarda sonhos perdidos
E a vontade de desistir

Não, não desiste...
Às vezes espera morrer aos 17
Sim, eu sei, é triste...
Mas às vezes ela sorri
Não, não desiste
Mesmo cansada, mesmo exausta
Aqui está ela em seus 16
Escreve seus livros quando ninguém olha
Chora quando ninguém olha
Sorri quando ninguém olha.
Ok, ok só faz 16
E... é segredo... Mas...
No fundo, no fundo
Quer viver e anseia felicidade.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Errar é humano?



   Quantas vezes uma pessoa pode errar? Quantas vezes uma pessoa pode ser perdoada? Quanto a culpa pode pesar em uma pessoa? Quão terrível pode-se ser? Eu não quero saber. Queria poder dirigir até lugar nenhum, até onde eu pudesse ser ninguém, e ninguém pudesse ser nada pra mim, mas não o faço... Aqui estou eu na minha cama, sem culpas, sem arrependimentos de coisa terríveis que cometi... Seria isso muito errado? Bom... Eu já disse que não queria ser assim, mas eu sou, sou do jeito que eu sou... Uma pessoa errada, que comete coisas erradas a preço de nada "você tem que mudar Megan" eu ouço me dizerem, mas não é fácil, não é como costumava ser, ninguém vai chegar me conquistar e me tirar dessa vida, um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, se diz... Quantas vezes eu posso errar? Eu espero que muitas... Quantas vezes eu posso ser perdoada? Eu não tenho resposta... Nem rima, nem ponto, não sei. Aqui estou preocupada com os outros, ou não... Já fui mais preocupada, preocupada não com o que eles dizem ou pensam, mas com o que sentem... Talvez eu esteja mesmo virando pedra, uma pedra deitada na cama, hoje eu acho que não vou chorar... Eu nunca choro por esses motivos...

By: Meg

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Oi amor....




23/11/12

Oi amor. Você ainda lembra de mim? Porque eu to esquecendo do seu rosto, outros homens estão tomando
o seu lugar... e isso me parece errado. Eu não queria que você estivesse ido, queria você aqui, queria que me abraçasse e dissesse que vai ficar tudo bem, que me desse um beijo na testa e que se eu começasse a falar muito você me beijasse com carinho, sinto falta do jeito como com você era tudo seguro... A gente nunca jogou truco, você não me deixava beber muito, mas bebia comigo, e agora aonde eu fui parar sem você? Fico pensando se do lugar aonde você tá eu te magôo, ou se você desistiu de mim. Me canso de ouvir as pessoas falando que você nunca vai parar de me amar, e quer que eu continue, mas eu não quero que elas falem, se é pra ouvir que seja só de você, pois nenhumas dela é você pra saber o que você gostaria ou não. Então porque você não volta, a gente aprende a jogar, nos sentamos no velho sofá e ficamos grudados como antes, porque você não pode voltar e me levar pra voar, poderíamos navegar juntos e ir ao fim do mundo que ao seu lado e seria lindo. Porém você não vai voltar pra mim, eu não vou ver seu rosto nenhuma outra vez, e ele vai sumindo, sua voz não me lembro mesmo ainda tendo os arrepios que ela me causava, seu toque macio eu nem me lembro como sentir, não lembro como seus olhos me penetravam antes. Sinto saudade do tempo em que eu só chamava você de amor, eramos tão certos de tudo e tão incertos do futuro, que hoje chega a ser uma piada de humor negro...
Oi amor. Sinto sua falta. Beijos. Tchau!


By: Meg

Garotinha...

  




   As vezes me pergunto se realmente fui quem fui... Sonhos, histórias, meu quarto, meu coração. Coisas que pra mim eram tudo do que eu precisava, essa nostalgia me consome de novo... Imagino que eu não fosse me orgulhar de quem eu sou agora, na verdade não me orgulho. Todas as esperanças, por que eu simplesmente não consigo senti-las novamente? Por que não posso ter aquela convicção de que o mundo pode ser um lugar bom? Eu juro que não quero ser uma garota mimada, não quero me sentir assim, mas não consigo imaginar outro jeito, não tem como não sentir. Eu queria não pensar... e pensar que um dia eu quis ser mais, mais do que todos, queria ser forte, inteligente, com futuro, passado e presente, queria ser a que corria mais rápido, admito queria ser tudo, queria ser um conto ou talvez um personagem vivo, um personagem de autoria própria, bom... eu me tornei mais ou menos isso... Engraçado pensar que até as musicas me diziam, e eu as ignorava. Difícil acreditar no que fiz, e que não é nada, é apenas mais uma coisa que eu deveria superar... Mesmo com aquela menina, aquela escritora de sonhos de três anos atrás com sonhos e esperanças, gritando, berrando para que eu não a esqueça ou a apague.
   Eu não sou mais a mesma com minhas amigas, com desconhecidos, com garotos, eu me tornei alguem que eu não queria, alguém dispensável, alguém que dispensa. Eu não queria isso juro, mas a única desculpa em que eu tenho acreditado é que a vida me trouxe até aqui sem que eu percebesse. Eu sei... patético, mas o que eu posso fazer, não passo de uma menininha que vai perder o trem, que vai ficar esperando algo, algo em que nem ela mais acredita! A vida já foi tão simples... Antes de eu a estragar, estragar porque não queria ser normal, estraguei meu psicológico por querer mais do que eu poderia ter, mas a única coisa que eu mais desejo será a única que essa menina mimada nunca terá, nem movendo céus e montanhas... As mentiras me cercam e estou cansando disso, de me sentir cansada, cada vez mais fraca, cada vez mais lágrimas, apenas por caírem, cada vez mais desespero... desespero de que?
   Eu sinto falta de ser aquela menina, com seu mundo particular. Sinto falta de sorrir o tempo todo, sinto tanta falta de ser normal... As vezes penso em como será não ficar pensando o tempo todo em coisas absurdas, em loucuras, em coisas incabíveis. As vezes penso em como será que é apenas dormir, acordar... viver a vida... "Você é normal Megan, mas tem medo de viver" me disseram... Sim, e muito mais que isso, só que não estou pronta pra assumir que sou apenas uma garotinha tola que tinha idéias na cabeça.

By: Megan