quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Melissa



Eu finalmente consegui me movimentar, estive estática no mesmo beco por um dia inteiro, acho que mais por choque do que por dor, quando me levantei só conseguia pensar em como Miguel tinha o cheiro do sangue de Random impregnado em suas roupas e em o que Megan havia feito comigo, sempre soube que ela tinha alguns "poderes" que não podem muito ser chamado assim, todo vampiro consegue controlar a mente, mas ela... Ela me controlou de um jeito que nunca tinha visto ninguém o fazer, sempre soube que ela era poderosa, nunca pensei que fosse tanto assim... Andei até pisar em algo, algo que deveria ser alguém, uma moça sem uma gota de sangue no corpo, entrei em desespero. E se Random estivesse assim, sozinho em um beco qualquer? Instantaneamente me senti uma idiota por ter ficado ali parada em choque um dia inteiro enquanto Random precisava da minha ajuda, fui cambaleando até a rua, eu precisava achar Random, já perdi Rodrigo, não iria perder ele também...

***

Cambaleie até em casa, como pude, quando parei na porta vi o carro de Random pra fora, a garagem aberta, senti seu cheiro um pouco fraco, mas rastreável, segui correndo, não ligando se alguém via ou não, o que me importava agora era achar meu amor. Segui o rastro até a periferia.
- Não Madlyne eu achei primeiro! - disse uma voz infantil.
- Mas eu sou mais velha Fire, eu como primeiro! - gritou uma segunda voz infantil arrogante, me aproximei e vi Random desacordado, insanguentado, morrendo, e duas meninas brigando de pé perto dele, uma morena de olhos verdes e uma ruivinha de olhos pretos.
- Você nem sabe como o fazer! - disse a ruiva familiar.
- Eu descubro! - disse a outra tentando atacar o cabelo ruivo, cheguei perto e as duas pararam assustadas, a ruivinha rosnou para mim e me surpreendi, fazia muito tempo que não via outros vampiros, a morena de cachos mostrou longos dentes que não eram nem um pouco vampiros muito menos humanos. Eu comecei a rir, me agachei e tentei acordar Random, sem nem olhar as duas menininhas na cara. A ruiva rosnou de novo.
- Isso é nosso! - ela bradou, revirei os olhos, fiz a minha pior ( ou seja, a mais verdadeira) cara de vampira, as veias dos meus olhos se contraíram, meus caninos sem alongaram, rosnei como um animal, e as duas se afastaram com medo. Esperei sinceramente que Random não tivesse visto isso, ele começou a acordar.
- Melissa? - ele perguntou confuso, eu sorri.
- Estou aqui meu amor - disse baixinho. A morena continuava a rosnar baixinho, levantei e as olhei por um instante, a baixinha ruiva tremia, eu a olhei, ela estava no escuro com medo de meu ultimo rosnado, ela saiu do escuro, com olhinhos curiosos e familiares, porém muito diferentes dos de...
- Fire? - perguntei me levantando surpresa, ela deu um passo a frente confusa e assustada.
- Ahm.. não? - perguntou ela olhando para a companheira
- D-desculpa, eu confundi você com alguém que conheci. - digo, mas não entro em detalhes, olhei pra Random que se movia.
- Mel? - ele perguntou assustado, os olhos arregalados, eu passei a mão em seu rosto e o tranquilizei.
- Sou eu, vamos sair daqui, calma amor - digo o ajudando a levantar, ele se levanta cambaleando, olho as duas meninas, a morena de olhos verdes corre rápido como o vento, deixa um cheiro de lobo com ela "tão nova" penso, analiso a menina ruiva que me lembra tanto Fire, usava roupas sujas e me olhava com raiva. Correu como uma verdadeira vampira, ajudei Random a caminhar.
- Melissa, não. Me solte. você... Ele.. quem era aquele cara? E-Eu vi você - ele disse assustado tentando se separar de mim quase caindo. Eu o pego.
- Random pare! Vamos pra casa, eu vou te ajudar - ele cedeu e eu o carreguei até a minha casa. Não consegui deixar de pensar na menina ruiva...

By: Meg

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Não querendo dizer...





Estou com medo, porque os abraços dele não são os seus, e mesmo assim me trazem uma boa sensação, sei que ele nunca será tão bom como você, mas como humano ele chega lá... Ele parece um daqueles caras que não prestam e como todo humano ainda não amadureceu, estou com medo de me envolver, mesmo que me deixando aos poucos desprender de você. Não sei o que ocorre comigo porque chega quarta-feira e eu anseio a vê-lo, ele me beija e sei que não é a sua boca, porém me deixo levar... Ele é o que eu teria se não fosse você.
 Sei que estou me recusando qualquer chance de amar, amar alguém que não seja você, mas as pessoas me dizem que é melhor deixar você partir, e que seria isso que você desejaria pra mim. Não consigo não me sentir um nojo quando gosto do jeito que ele me segura, e como fico feliz de vê-lo irritado quando um dos amigos dele brinca comigo, e a única coisa que sei dizer sobre ele é que ele é um idiota, mas... Quando penso em você, ele interrompe e entra no meio do pensamento, me sinto culpada, irritada, o que está acontecendo? Se você estivesse aqui nada disso aconteceria, eu não me apaixonaria por alguém que não é um terço de você, não teria que dizer adeus... A verdade é que não quero admitir estar gostando dele.


By: Meg