quinta-feira, 28 de abril de 2011


Já não choro, nem amo,
Não sinto dor, nem pavor
Só vejo o que restou de tudo que acabou
O mundo, já não é meu, 

Eu já não sou seu, 
Indo embora,
Sem olhar pra trás,
Talvez seja sim, 
Um NUNCA MAIS

Enfim, não sei 
Ao certo, definir
O ruim do mal, 
Queria descobrir
Mas com você perto de mim

Já não vejo como voltar,
Estarei longe,
De onde queria estar,
Mas vivendo o dia de hoje
Sempre a te amar

Não vamos nos perder
Num futuro incerto
Vamos aproveitar cada momento
Em que estivermos bem perto!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Frase da noite


Na vida ah os momentos de felicidade aqueles que dividimos com alguém, e aqueles momentos de tristeza a que de vez em quando nos forçamos a ter, tudo depende se você prefere se machucar ou não.

By: Meg

domingo, 24 de abril de 2011

Melissa


 Desculpem a demora, mas eu entrava aqui todos os dias olhava pra o PC, sem saber o que escrever, talvez muita coisa na cabeça, talvez nada na cabeça, mas agora não passa de uma tempestade, já se foi, então pra recompensar vocês, eu escrevi alguns caps da Melissa, como não dá pra postar tudo de uma vez eu vou postando aos poucos hoje, espero que gostem!


---------------------------***********************---------------------------- 


Tá é estranho.



Ele me olhou, eu não conseguia ver a sua reação, não conseguia nem olhar seu rosto, mas com certeza era cheio de incompreensão.
- C-como? – ele me perguntou, eu o olhei envergonhada, aquele meu pedaço de Rodrigo, minha ultima lembrança, eu queria o guardar comigo, não era o certo, eu devia deixá-lo, o meu cérebro estava a mil, eu não sabia mais qual era o certo, o errado, nada, o meu mundo virava de ponta cabeça, novamente, aquela sensação, aquela sensação de quere tudo e quere voltar tudo como antes, querer a minha inexistência de volta, a minha maldade, a minha malicia, mas ao mesmo tempo era tentador, tê-lo, amá-lo, como voltar a ser a pessoa que eu era, o humano que eu era, eu não devia, mas devia, eu o olhei e seus olhos confusos.
- Eu… ele – suspirei, ele estava mais perdido que assustado, se fosse outra situação, se eu fosse um pessoa normal, talvez eu teria rido, não agora.
- Ele era o meu melhor amigo – soltei tudo de uma vez, ele agora sim se assustou pra valer, me olhando, eu podia ouvir se coração a mil, quase pode ouvir sua mente trabalhando, tentando achar um encaixe.
 - O-o que? – ele me fazia uma cara de total espanto, talvez eu devesse…
- Random – um arrepio me percorreu a dizer se nome, achei que isso tinha sumido quando virei vampira – Eu teria que lhe contar… Tudo – disse por entre os dentes, ele me olhou duvidoso por um minuto. Ele se aproximou dois passos, e se sentou, eu o imitei, eu já tinha feito muitas coisas estranhas, mas sentar-me num cemitério, ao lado da cova de Rodrigo, falando com o neto dele, era com certeza a maior dessas esquisitices.

--------------------------***********************----------------------------




By: Meg

Você.




   Você chegou correndo, eu me lembro bem à ocasião, estávamos no por do sol, ele era tão lindo, mas você era tão melhor! Eu chorava, chorava por sua causa, por tudo que tinha me feito, por tudo que ainda fazia comigo, como você podia mexer comigo daquele jeito? Minhas amigas dizem pra eu tentar te esquecer, mas como ser capaz disso? Quando eu estou perto de você, o mundo para e roda mais rápido, você nem entende o que eu faço, ou melhor, deve entender, mas não se importa comigo, não é? Talvez eu esteja dando uma de melodramática, você me disse que ficaria comigo enquanto eu o quisesse como você pode fazer isso comigo? Jogar toda a responsabilidade nos meus ombros? E o pior é que você não fez nada de errado, você está certo de novo, isso é irritante, como consegue ser esse perfeito cavalheiro, que mexe tanto comigo? Você me enfeitiçou, ou mesma me enfeiticei de você, você é tudo aquilo que qualquer uma quer, é aquele que todos gostam aquele que eu gosto, mas você me deixa louca! Me deixa confusa, você é o ser perfeito pra mim, aquele me vai me enlouquecer, lembro-me bem da ocasião, você se lembra? O por do sol, quando nos sentamos debaixo da arvore e você me prometeu amor? Lembra o quão idiota eu fui? Como pode ser assim a vida? Pois eu me lembro, eu e você estávamos juntos e mesmo que agora nos estejamos juntos, aquele fui um tempo mais feliz, do qual eu não me preocupava só te amava.


By: Meg

O bosque




Eu rondava pelo bosque, a procura de uma coisa, coisa que eu na hora não sabia o que era, procurava pelos cantos entre as árvores, até o momento em que me senti cansada, burra, parei de procurar, por algo que presumia eu, ser fruto de minha cabeça, ser bobagem, até o certo momento em que eu vi, vi aquilo que procurava, lindo, olhou pra mim, por uma fração de segundos, segundos esses, que eu aproveitaria caso estivesse ali, de pé. Ele estava aonde eu tinha estado, antes de desistir, ele fugiu, com os olhos assustados, não me vendo direito, achando que eu o ameaçava. Ele fugiu antes que eu pudesse dizer a ele quem era, dizer a ele qualquer coisa, achando que eu devia ser forte o suficiente para trancá-lo na primeira oportunidade, o que eu procurava fugiu, sentei-me no bosque, não havia nada o que fazer. Ali fiquei esperando, procurando, as vezes correndo atrás da criatura que fugiu, criatura preciosa, incrível como o amor é frágil...

By: Meg

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Como me encontrar?


To tentando me encontrar,
Não sei mais o que fazer!
Se choro tanto por te amar,
Mas não vivo sem você.

Quanto mais o tempo passa,
Nada tem a mesma graça.
Sem você nada faz sentido,
Mas ao seu lado
Sou apenas outro amigo...

Deixe tudo pra depois,
Pense apenas em nos dois,
Esqueça um pouco a razão,
Viva  com mais emoção.

Não quero começar algo com
Um final previsível,
Quero viver algo bom o
Bastante para se tornar
INESQUECIVEL!

Criado por: Dan
Postado por: Meg

Diferentes


Somos tão diferentes,
Mas tão iguais!
Só sei que daqui pra frente
Tanto faz.
Quero estar sempre
Ao seu lado
Poder contar com você
Te ensinar e aprender.

Amar, sonhar,
Correr, fugir,
Pensar, agir.
Enfim viver,
Para ser feliz!

Tudo que eu sempre quis
Era conhecer
Alguém como você.

Agora que encontrei
Não penso em te perder,
Se algum dia te magoar,
Espero que possa me perdoar.

Às vezes ajo por impulso,
Não tenha muita razão.
É um sentimento avulso
Quebrando barreiras do coração.

Seu amor é o que me faz
Ter forçar pra viver,
Buscando minha paz,
E me impondo dentro de você.

Criado por: Dan
Postado por: Meg

domingo, 17 de abril de 2011

Sempre acaba




Um dia tudo se acaba,
 deixando apenas a saudade, 
daquilo que não ficou,
pode ser de qualquer coisa
qualquer que seja, um programa feliz
um amor que passou, uma amizade que ficou.
Pode ser símbolo de criança, 
a idade que já passou,
Pode ser símbolo de renovação
algo que então te mudou
mas é inevitável que então
Um dia tudo se acaba.
Pra tudo então recomeçar....
Melhor.

By: Meg




quarta-feira, 13 de abril de 2011

Vem comigo...



Em eu Com quem mais eu viveria
Esse sonho de verão?
Quem mais me traria
Essa boa sensação?

De estar de bem com a vida
Grande emoção
Que linda alegria
Dentro do meu coração!

Nem sempre a vida
Nos dá chances.
Algumas coisas nunca
Estarão ao nosso alcance.

Venha aqui comigo
Viver esse romance
Coração batendo a mil
E eu curtindo esse lance!

De ficar com você,
De seu o seu amado!
Pois quando precisar eu sei,
Você estará ao meu lado!

Pois é você que eu amo,
E com você quero ficar!
Não importa o tempo que se passe
Pra sempre vou te amar!!


Criado por :  Dan
Postado por: Meg

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Melissa

Ah mais um capitulo da Mel disponível, de presente meu pra você ( eu sei isso é estranho) bom espero que gostem!




------------------------***********************-------------------------

Inferno, que ironia!


Versão Melissa - de volta


Minha vida, quer dizer, minha existência estava um caos, como eu podia ter sido tão burra! Tão idiota! Tão tola, obtusa, retardada, ingênua, logo eu! Como eu pude perder Rodrigo e perder Random, em tão pouco espaço de tempo, como pude eu não ter ido embora, não ter corrido dali, não ter me escondido melhor, como poderia eu ter sido tão idiota a ponto de amar aqueles daquela família, eu tinha que ter ido vê-lo? Falado com ele? Eu sou uma burra, fiz tudo errado e agora, pra onde eu corro? Para aonde eu vou? Estava sufocada, queria poder chorar, pus a cabeça entre as mãos, se fosse possível eu morrer queria que fosse agora. Obvio que nada me aconteceu.
- Ro, por que você me deixou logo agora? Por que você tinha que bagunçar a minha existencialista, você e esse seu neto, como? - e de repente eu sabia aonde ir, sabia o que fazer...

Cheguei no cemitério na hora do entardecer, estava um lindo por do sol, fui andando vagarosamente até Rodrigo, sua lápide ainda brilhava, e como me doía olha-lá, ver meu amigo, meu amor, a sete palmos de mim, tinha vontade de me juntar a ele, cavar até ele, e me deitar ao seu lado como fazíamos assistindo filme em turma tantos anos atrás, eu precisava do meu amigo, irmão.
- Rodrigo, volta pra mim - sussurrei soluçando -  Rodrigo, volta para mim! Você não pode me deixar agora- quase gritei, eu queria aqueles olhos me protegendo, aqueles olhos estavam fechado pra sempre, assim como o de meus pais, meus outros amigos, a quem nunca dei atenção, sofria por todos agora, precisava acertar as contas com Random, eu devia era mesmo fugir, fazê-lo esquecer de mim, a mente humana, ele logo se esqueceria de mim, eu não passaria de mais uma lembrança apagada, era isso, ele ficariam bem, com Juliet.  E de repente não era isso que eu queria, queria estar com ele, não queria que ele me esquecesse, jamais, não! Eu queria era ficar, amar, ser de verdade, coisa que eu nunca mais seria, gritei, solucei, me amaldiçoei, Rodrigo havia me aberto os olhos para tudo.
- Tinha que fechar os seus por isso? - lhe perguntei, ele teria rido o meu sorriso, teria me abraçado, beijado a minha testa, e dito algo que me faria preocupada, mas divertida, me faria rir, alguém se aproximou, me recusei a olhar, a brisa me soprou um cheiro conhecido, levantei rapidamente.
- Random - disse olhando nos lindos olhos castanhos de Rodrigo, eles estavam arregalados de pavor.
- Melissa - ele sussurrou - mas... Por quê? - ele perguntou, fui me distanciando cada vez mais, tentando o deixar em paz.
- Calma, eu... - ele parou e me olhou nos olhos, me torturando. - o que está fazendo aqui?
- Eu... Eu... Vim visitar Rodrigo.





----------------------------***********************-------------------------- 

By: Meg

Aniversário





Tenho que rir, quando eu gostaria de chorar, quero gritar quando o máximo que posso fazer é tentar sussurrar, o por que disso tudo? É meu aniversário, e a muito venho tentando escrever isso, a muito tentando achar um jeito, nunca fui contra aniversários, eles são tão irrelevantes! Mas eu costumava me divertir com eles, contar os presente, colocar as embalagens debaixo da cama, rir, e mostrar a todos os meus presentes, hoje aqui estou eu com uma vela na mão, não que eu esteja só, estou mesmo, mas algo que sinto que não tenho, algo que tenho medo de nunca ter, sorrio com os pensamentos estúpidos que tanto prezo e tanto me rondam a cabeça, talvez pra muitos esse dia não é nada mais do que uma simples segunda feira, mais uma de tantas, mais um dia de serviço, escola, mas é tão estranho que um dia seja tão importante e tão irrelevante, eu realmente não sei o que pensar sobre esse dia, não sei o que se passa em minha mente, mas em meu coração, algo se esvazia, fica oco, esperando torcendo pedindo  faça um pedido Meg, faça o pedido com um sopro apago a vela e vou dormir...


By: Meg

Ps: Hoje realmente é o meu aniversário!

Livre




Parecia um dia normal, de uma vida normal, a menina se encontrava jogada na cama, abrindo e fechando uma linda caixinha de musicas, uma musica linda tocava a irritava, queria ela mais da vida, queria ela viver, mas não dava presa em casa, pegou o celular e pensou em sair, claro que não dava ela estava presa em casa, sua mãe nunca na vida iria deixá-la sair sozinha desse jeito, frustrada se contentou com a janela, todos andavam apressados lá fora, só queria a menina mostrar para essas pessoas que podia-se ser diferente, ser feliz! Não trancada dentro de casa, mas não tinha como sair, ela estaria sempre trancada, impedida, queria a menina voar como os pássaros, ser feliz, livre, viver a vida que nem ao menos um pouco, nem que seja para cair, voltar para casa arrasada, e dizer. Sim eu fui lá fora.


By: Meg 

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Raça extinta





Para a minha amiga Bad Girl.




   Meninas se esquecendo de quem são, querendo ser cópias de perfeição, querendo aparecer, tão fúteis! Se esquecem de quem são, se esquecem de que podem mandar, as meninas rebeldes, as "más" Dizem que machucamos, mas não é verdade, não se você não nos provocar, somos apenas garotas que amam a si mesmas, não nos importamos com o que você está pensando de nós, não nós. Nos unimos, construímos, te destruímos, pensas ser melhor, nos podemos te deixar arrasado, mas não nos leve a mal, somos só uma raça extinta que ainda circula por ai, a raça que lembra quem manda, a raça que sabe se produzir pra si mesmas e não para os caras que trocamos tão facilmente, não tente por assim ver o meu caráter, nem o de nenhuma de nós, pois não temos, rimos de você garotas fúteis, garotas santas, garotas bobas que se deixam levar tão facilmente pelos homens, nós brincamos com os caras que tentam no enganar, você choram pois caíram na deles, bobas, fúteis, frágeis, nos somos mais, somos melhores, somos as "Bad Girls"  rebeldes, felizes que sabem viver a vida, somos o que somos não ligando para a nossa reputação e ponto.


By: Meg

segunda-feira, 4 de abril de 2011

O que fazer?


Como me safar
se eu nem ao menos consigo respirar?
O que fazer?
Como agir?
Se minha vontade será sempre partir?
Minha certeza virou incerteza
meus medos viraram solidão
e meu coração?
Ah esse se perdeu!
está por ai com alguém
e sua prima a felicidade
me deixou com a saudade e a dor
decaindo-me na solidão

By: Meg

Noites em claro


Noites em claro
Pensando em você,
Buscando entender
O que te fez mudar.

Achei que seu sentimento
Era real,
Mas não passou de um
Momento superficial.

Te dei tudo que podia,
Você só me disse não.
O  que eu sentia,
Era mais que paixão.

Não queria te ver sofrer,
Penso tanto em você,
Mas você fez sua escolha,
E eu vivo a minha.

Não a mais  tempo
De um recomeço,
Agora enterro o passado,
Pois o futuro  desconheço.

Criado por: Dan
Postado por: Meg

sábado, 2 de abril de 2011

Romeu e Julieta



   Há uma história neste ponto, da qual só de lembrar já me faz derramar muitas lágrimas, foi tudo tão errado, tudo tão corrido, como poderia ter Romeu amado a doce Julieta assim? E como Julieta poderia ter caido de amor por Romeu desse jeito? Dois apressados jovens, ela só tinha treze anos, o amor deles, amor esse avassalador, deixou tantas baixas, tantos problemas, medidas erradas, palavras cruzadas e juras realizadas sob a lua, um amor consumado de todas as formas deixando-o, assim, o mais forte, mais ardente possível.    
  Como poderia alguém refrear Romeu, que gostava tanto de Rosalinda no começo? E como pode alguém não sentir pena, amor, dó de Páris em seu ultimo ato, sua morte? Esses dois, um só amor nascido de uma discórdia familiar, dois loucos dispostos a tudo para ficarem juntos, uns podem dizer que, como jovens, bobos, foram apressados demais e fizeram tudo dar errado, talvez fossem eles mais maduros, mais responsáveis, tivessem eles vivido bem, mas algo me faz duvidar, algo me faz crer que se fosse por um amor assim, qualquer um morreria, lutaria, cairia. Fosse um amor proibido a qualquer um tornaria tudo tão mais belo! Duas familias inimigas, duas rixas antigas, quem diria que do meio de tanto lodo nasceria uma linda flor, a flor de Romeu e Juelieta...

Pois jamais existirá história mais dolorosa do que essa de Julieta e seu Romeu.


By: Meg.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Simples!



- Mii!
- O que foi?
- Preciso de uma coisa
- O que?!?
- Deixas de se preocupar
- O.K, então o que desejarias minha amada
-Preciso de um beijo teu.
- Isso é simples
- Simples hora veja só!
- Por que?
- Isso é só pra você!
-...?
- Tua cabeça, não roda, teu coração não dispara, tuas mãos não suam?!!?
- Ora claro, isso é que é bom
- Então pare de falar!
- Parar?
- Ora! - disse o beijando, ele sorriu por baixo de meus lábios e sussurou:
- Como quiser senhorita